NULL

Projectos

Conferências Turismo Militar

 

Com o intuito de fomentar o envolvimento dos diversos stakeholders do setor turístico, estamos a preparar a primeira conferência sobre turismo militar na cidade de Lisboa, especialmente vocacionada para as empresas de animação turística que operam os TukTuk e para os guias turísticos que trabalham diariamente na cidade. O objetivo é ajudar a identificar o património histórico e militar de Lisboa e, assim, enriquecer as visitas à cidade. 

 

Selo TM

 

Na sua génese, o projeto Turismo Militar previa o envolvimento de parceiros locais, como Câmaras Municipais, Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), operadores turísticos, hotéis, restaurantes, entre outras entidades que tenham intervenção na economia das regiões de cada roteiro.

Neste sentido, e com o objetivo de agregar dentro das economias locais todos os parceiros relevantes para a dinamização do turismo nas regiões de intervenção dos roteiros, entende-se como prioritária a implementação do Selo Turismo Militar. O Selo Turismo Militar é uma imagem identificativa dos estabelecimentos que integram, ou apoiam, o projeto Turismo Militar.

Com isto, para além do contributo para a dinamização da indústria turística local, os parceiros serão identificados pelo Selo do Turismo Militar e receberão pontualmente brochuras, roteiros e merchandising que a ATMPT entenda disponibilizar. Em todos os locais estará identificada a forma mais rápida de incorporação da aplicação Turismo Militar nos smartphones dos turistas.

Todos os parceiros a quem for reconhecida a qualidade do serviço que prestam ficam referenciados na app Turismo Militar, na área “Aqui Perto”. Assim, um utilizador da app que acione o “Aqui Perto” fica desde logo a saber onde comer, dormir e o que visitar, com a garantia de qualidade dada pela ATMPT.

 

Há Música com História

 

À imagem das melhores práticas internacionais, o projeto “Há Música com História” consiste em espetáculos musicais curtos, sem marcação prévia, ou em dias pré-determinados, da Banda da Armada, em Belém, junto ao Museu da Marinha; da Banda Militar do Exército, perto do Museu Militar do Exército; e da Banda de Música da Força Aérea no Centro Histórico de Sintra. Em todos os eventos serão distribuídas brochuras referentes aos três núcleos museológicos das Forças Armadas, incentivando a visita aos mesmos.

As bandas militares, em particular a Banda da Armada, a Banda Militar do Exército e a Banda de Música da Força Aérea, têm já uma longa tradição e qualidade artística que nem sempre é devidamente reconhecida pela sociedade civil. Considerando a qualidade da sua atuação, entende a direção da ATMPT que deve potenciar a interação entre estas três organizações e os três núcleos museológicos das Forças Armadas, mais concretamente o Museu da Marinha, o Museu Militar do Exército e o Museu do Ar.

Tendo em consideração a localização dos referidos museus (Belém, Santa Apolónia e Sintra), três zonas com forte atratividade turística, entende-se que a união destas duas atrações irá contribuir para a associação de atributos positivos às Forças Armadas e aumentar o número de visitas e a rentabilidade dos Museus.

 

Quartel da Cultura

 

Com o intuito de desenvolver o turismo e a cultura, bem como de rentabilizar uma infraestrutura militar, a Associação do Turismo Militar Português procura manter viva a história do Regimento de Lanceiros Nº 2, no local que foi a sua casa durante mais de 180 anos. 

A ATMPT irá transformar o Quartel existente num espaço cultural de interesse para o Turismo, com condições especiais para militares e familiares. Para esse efeito, os edifícios e os exteriores serão transformados em locais de turismo, de cultura e de desporto.

Contando com uma equipa de segurança especializada, e ainda com um vasto conjunto de técnicos, o Quartel irá oferecer vários espaços para ensaios, para espetáculos, para exposições, para mercados, para co-working e co-studying, e ainda para a prática desportiva.

No perímetro da Parada Marechal Carmona, com uma vista extraordinária sobre o Tejo e a Ponte 25 de Abril, estarão disponíveis diversos bares e restaurantes. Para além disso, como forma de promover o comércio cultural, existirão galerias de arte, lojas de artigos de música, de dança e de teatro, e também oficinas de artesanato.

De destacar ainda a existência de uma residência para estudantes com 40 quartos duplos e 16 camaratas.

 

Faróis de Portugal

 

Com o objetivo de aproximar a comunidade local das infraestruturas militares – de forma a dinamizar a economia, tradições e costumes locais, através de projetos turísticos e socioculturais que visam a preservação do Património Militar –, a ATMPT, ao mesmo tempo que veicula a proximidade com o mar e com a história de Portugal, procura proporcionar experiências e vivências únicas a turistas nacionais e internacionais através da “descoberta” de Faróis nos diferentes pontos do país.

Hoje existem, em Portugal, 77 Faróis, que se repartem pelo continente e ilhas. As suas estruturas de grande porte em locais, por vezes, de difícil acesso, mas sempre privilegiados em termos de panorâmicas, impõem-se na paisagem e são referências para além da sua função de controlo de tráfego marítimo.

Tendo isso em conta, com o propósito de desenvolver e dinamizar todas as atividades geradoras de receitas que criem notoriedade e reconhecimento no público, o Turismo Militar propõe-se criar a marca FARÓIS DE PORTUGAL.

Sob a alçada desta marca estarão polos culturais e museológicos, lojas de merchandising, cafetarias e alojamentos em faróis. Existe ainda o compromisso de estabelecer parcerias locais com operadores hoteleiros e de restauração, agentes independentes e outros parceiros locais – Surf, Birdwatching, escalada.

Com vista a potenciar o impacto do projeto, será desenvolvido o site www. portugalfarois.pt. Para além disso, existirá obviamente ligação aos sites do Turismo Militar, do Turismo de Portugal e das Câmaras Municipais e Regiões Turísticas, bem como acordos comerciais com operadores turísticos online e dos mercados ligados à natureza e aos desportos radicais.