Turismo Militar para o futuro do Município


registo | recuperar

Turismo Militar para o futuro do Município

{titulo}

{titulo}

{titulo}

{titulo}

{titulo}

{titulo}

{titulo}

À conversa com o Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós

Acarinhado pela natureza e ruralidade do Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros, o Município de Porto de Mós foi palco de uma das batalhas mais importantes de toda a época medieval, entre portugueses e espanhóis, que consolidou a identidade nacional – a Batalha de Aljubarrota.

Jorge Vala, Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós (Figura 1), conversou com a Associação de Turismo Militar Português (ATMPT) sobre os principais focos do Município e os planos para o futuro em torno da História e do Turismo Militar, destacando o tema da Batalha de Aljubarrota e o Castelo de Porto de Mós.

Atualmente o campo onde ocorreu a Batalha de Aljubarrota foi considerado Monumento Nacional, consagrando, desta forma, todo o inestimável trabalho desenvolvido no Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota (CIBA) (Figura 2), criado pela Fundação Batalha de Aljubarrota.

Quanto ao Castelo de Porto de Mós (Figuras 3 e 4), o destaque prende-se com o facto de este estar ligado à Reconquista Cristã. Construído sobre um outeiro, com uma vista sublime sobre a cidade, o castelo foi um importante ponto estratégico na defesa de Leiria e de Coimbra e, mais tarde, associado para sempre à figura de D. Fuas Roupinho, seu alcaide, designado, ainda hoje, por Castelo de D. Fuas Roupinho.

O Município proporciona aos seus visitantes uma vasta gama de experiências associadas aos recursos naturais, “(…) como a Fórnea (Figura 5), um anfiteatro natural com cerca de 1km de diâmetro, ou o expoente máximo na eleita maravilha Natural de Portugal, as Grutas de Mira de Aire (Figura 6), espelho de um conjunto belíssimo no qual se incluem as Grutas de Alvados e as Grutas de Santo António, em pleno Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros”, refere Jorge Vala, bem como, inúmeros percursos pedestres, designadamente o percurso pedestre da Batalha de Aljubarrota, ou para os fãs de desportos radicais, percursos de downhill.

No contexto do património histórico, o Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, sublinha “(…) realce para o seu castelo de traça palaciana, para o Campo Militar de S. Jorge, para a Calçada Romana do Alqueidão da Serra (Figura 7), entre outros pontos de interesse, que aliados à boa gastronomia local, concebem Porto de Mós como um destino justificado para uma visita”.

A agenda cultural do Município engloba as Festas de São Pedro (entre junho e julho), o Festival Gastronómico do Cabrito e do Borrego (durante a Semana Santa), e as Comemorações da Batalha de Aljubarrota em São Jorge – Calvaria (agosto).

No que diz respeito ao Turismo Militar enquanto ponto de viragem na atração de novos públicos e no desenvolvimento do Turismo da região, Jorge Vala acredita que este pode fazer a diferença no território, “Principalmente tendo em conta o atrativo de âmbito internacional que é a Batalha de Aljubarrota”, afirma o Presidente. A procura de visitantes tem aumentado sobretudo no CIBA e no Castelo, mas “(…) ainda há um largo espaço de crescimento em benefício do concelho, se o turismo militar for correlacionado com a restante oferta territorial”, admite Jorge Vala.

Em questões de salvaguarda e preservação do património histórico-militar, o Campo Militar de São Jorge, enquanto Monumento Nacional está sob a tutela da DGPC/DRCC, bem como o Castelo de Porto de Mós, este com uma gestão e investimentos diretos do Município. 

Segundo Jorge Vala, “As medidas mais urgentes passam pela compatibilização dos interesses da comunidade com os interesses estritamente patrimoniais do Campo Militar de Aljubarrota, bem como pela crescente valorização do castelo através de projetos de acessibilidades e de sensorialização do espaço. A estas ações, junta-se a necessidade de fortalecer os aspetos comunicacionais junto de potenciais públicos”.

O futuro do Município no que diz respeito ao Turismo Militar, “Passa pela valorização crescente dos espaços já referidos e pela sua correlação com a comunidade e as atividades económicas locais, principalmente de carácter turístico”, enfatiza o Senhor Presidente.

A ATMPT incentiva-o a descobrir o Município de Porto de Mós, a desfrutar deste património e da sua envolvência natural. Faça parte da História de Portugal!