MERCADO OITOCENTISTA E RECRIAÇÃO HISTÓRICA


registo | recuperar

MERCADO OITOCENTISTA E RECRIAÇÃO HISTÓRICA

MERCADO OITOCENTISTA E RECRIAÇÃO HISTÓRICA

Entrevista ao Diretor do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, João Paulo Mergulhão - Vimeiro 2017

A Batalha do Vimeiro, que marca a segunda restauração da independência de Portugal, foi travada a 21 de agosto de 1808 entre o exército francês, comandado por Junot, e o exército anglo-luso sob o comando de Sir Arthur Wellesley.

Alusivo a este episódio e período da nossa História nacional, realizam-se todos os anos o Mercado Oitocentista e a Recriação Histórica no Vimeiro (concelho da Lourinhã), no terceiro fim de semana de julho.

Nestas comemorações os visitantes podem encontrar ofícios da época, animações de rua, teatro, concertos, workshops, visitas guiadas ao Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, exposição e venda de produtos, gastronomia, entre outras coisas.

Este ano não foi exceção e o evento realizou-se de 14 a 16 de julho. Uma verdadeira oportunidade para se viajar até ao início do séc. XIX.

Quisemos saber mais sobre este evento e fomos ter com o Diretor do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, João Paulo Mergulhão. Quem mais para satisfazer a nossa curiosidade. 

 

Qual o “balanço” da edição de 2017?

Francamente positivo. Os indicadores anteriores ao evento já eram animadores, nomeadamente no que respeita ao interesse da comunicação social. Contudo, o público é o verdadeiro barómetro, e atingir os 15000 visitantes (face aos 10000 da edição anterior) constitui para nós motivo de satisfação e motivação para as edições que se seguem.

As diversas atividades do programa foram alvo de intensa procura por parte do público, mas, naturalmente, as recriações históricas da batalha constituíram o ponto alto do evento.  

Estes resultados vem confirmar o trabalho que temos vindo a desenvolver na consolidação da afirmação turística da temática da Batalha do Vimeiro. Veja-se o caso do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro CIBV, cujo número de visitantes anual continua a registar um forte crescimento, tendo já atingido em agosto os valores totais de 2016. Mas a Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro AMBV, que com o seu Grupo de Recriação Histórica é já presença assídua em diversos eventos em Portugal, Espanha e França, tem também contribuído para esta consolidação. O evento “Recriação Histórica & Mercado Oitocentista” constitui o terceiro vértice deste triangulo e os resultados atingidos foram de grande satisfação para a organização.

Com estes resultados vem também uma responsabilidade acrescida no que respeita à próxima edição, que marcará os 210 anos da batalha.

 

Como é que caracterizam e descrevem este evento?

Este evento pretende recriar todo o ambiente histórico-cultural e militar dos inícios do século XIX, ativando turisticamente esta temática.

Aos milhares de visitantes que passam pelo recinto é propiciada uma viagem no tempo com animações de rua, concertos, atuações teatrais, recriação de ofícios à época, vários workshops temáticos, mostra de produtos gastronómicos e a recriação de um acampamento militar napoleónico onde é possível perceber o dia-a-dia dos soldados da época e assistir a manobras militares livres.

As recriações históricas da batalha são, sem dúvida, o momento alto deste evento que contou, nesta edição, com cerca de 70 expositores e reuniu mais de 200 figurantes, incluindo os recriadores históricos (militares) e participantes da população do Vimeiro.

 

Qual o papel deste evento no âmbito do Turismo Militar?

Todo o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido enquadra-se no âmbito do Turismo Militar. Esse é o papel natural do CIBV, da AMBV e, naturalmente do evento Recriação Histórica da Batalha do Vimeiro & Mercado Oitocentista.

Os eventos são momentos que originam acréscimos de exposição mediática e nesse capitulo os resultados foram muitos positivos. É uma forma de promover a temática que tem influência nos fluxos de visitantes que se prolongam muito para alem do evento. Iniciativas como esta, como a agenda cultural do CIBV ou a participação da AMBV noutros eventos contribuem para o crescimento da visibilidade do Turismo Militar, com benefícios que são já visíveis no desenvolvimento local.

 

Como surgiu a ideia da organização deste evento e quais os principais objetivos?

A ideia surge da necessidade de complementar o trabalho desenvolvido pelo CIBV e pela AMVB. O conceito definido é baseado na oportunidade e necessidade de ativação turística do património histórico-militar que resulta dos acontecimentos de 21 de agosto de 1808. O CIBV foi alvo de uma renovação em 2014/2015 e é hoje um espaço que nos dá garantias de qualidade e autenticidade na experiência que é proporcionada aos visitantes através das diversas ofertas de atividades, incluindo a agenda cultural.

A “Recriação Histórica & Mercado Oitocentista” é um instrumento complementar de materialização deste conceito, que pretende marcar um espaço na calendário nacional de eventos e aumentar a visibilidade para a temática da batalha do Vimeiro.

 

Como vê e descreve a evolução do evento de edição para edição (ex: visitantes, atividades, participantes, comunidade, internacionalização)?

É importante recordar que esta foi apenas a terceira edição do evento. A comunidade do Vimeiro está mais vez mais envolvida e consciente da oportunidade que isto representa para o seu território e contribui para muitas das atividades que integram o programa. O Grupo de Recriação Histórica é constituído por pessoas do Vimeiro e do concelho da Lourinhã. As encenações históricas são realizadas apenas com a população local, o grupo de teatro TAMAL, da Lourinhã, e elementos do CIBV. Isto significa que uma parte considerável do evento é assegurada com a participação da comunidade local, o que representa motivo de satisfação redobrada face aos resultados alcançados.

A evolução do número de visitantes no evento já foi mencionada, mas outro dado quantitativo poderá ser encontrado no número de visitantes no CIBV durante os três dias do evento, que passou de 1700 em 2016 para 3200 em 2017.

 

O que distingue este evento dos restantes eventos similares realizados a nível nacional?

Neste evento, a par da realização de um mercado temático, a organização aposta fortemente na realização da Recriação Histórica da Batalha do Vimeiro. Este é, sem dúvida, um elemento diferenciador visto que, no panorama nacional, existe pouca oferta no que toca a Recriações Históricas do Período Napoleónico, pois o destaque vai para o Império Romano e, sobretudo, para o Período Medieval, tendência que tem vindo, no entanto, a ser contrariada desde as comemorações do bicentenário das Invasões Francesas.

Este é um evento de cariz anual que conta com um número de recriadores que vai crescendo a cada ano, tendo estado presentes, nesta edição, cerca de 200 figurantes e contando-se, entre eles, diferentes nacionalidades.  

No Vimeiro, procuramos conciliar todo um vasto leque de iniciativas diversificadas e intergeracionais com a recriação rigorosa da batalha, uma experiência de “living story” que transporta os turistas para outro período histórico.

Importa aqui referir novamente o forte envolvimento da população local, que se assume como primeira guardiã da memória da batalha e cuja colaboração e trabalho em prol desta causa permite criar um ambiente mais autentico e acolhedor, gerador de forte procura por parte do público.

 

Quais os desafios para as edições futuras?

A inovação no programa de atividades será uma desafio presente em todas as edições do evento. Com o crescimento do número de visitantes vem a correspondente responsabilidade de não defraudar as expectativas. Estamos conscientes de que, entre outras, será necessário introduzir algumas mudanças ao nível da organização do recinto e também um maior número de atividades de recriação histórica no programa.

A preparação da próxima edição começa em setembro e a organização, que é composta pelo Município da Lourinhã, pela Junta de Freguesia do Vimeiro e pela AMBV, está consciente de que este evento é uma iniciativa de grande importância para o fomento de desenvolvimento local.

 

 

 

 

 

 Fotografias: http://www.batalhadovimeiro1808.pt/#galeria